Aprender em Filmes

__________________
Vivemos numa época demasiado rápida. Venderam-nos o progresso como algo que nos ia libertar, mas aconteceu o contrário. Quanto mais trabalhamos com computadores para ganhar tempo mais enchemos o tempo que ganhamos com trabalho… O stop-motion está fora disso tudo, é um espaço manual, de criação, como uma escultura que se vai revelando aos poucos. Claude Barras, realizador de “A minha vida de Courgette”, entrevistado no Público, 12.05.17.
__________________

APRENDER EM FILMES CONSISTE NA REALIZAÇÃO
de filmes de animação ao longo do ano lectivo. Cada filme integra um conjunto de oficinas que, utilizando o cinema de animação através de diferentes técnicas (pixilação, marionetas de papel recortado e de plasticina, desenhos animados no quadro preto, etc), proporcionam um trabalho organizado em conjunto com alunos e professores. Com vista a permitir uma contínua valorização da actividade, o CINE CLUBE DE VISEU convida, regularmente, diferentes realizadores para assegurarem a orientação da actividade, organizando residências artísticas para esse efeito.

OBJECTIVOS
– Promover a interdisciplinaridade: enquadrar várias áreas curriculares e não curriculares;
– Proporcionar a oportunidade de construir os seus próprios instrumentos pedagógicos e de os partilhar com outras escolas (o filme como instrumento pedagógico);
– Potenciar o manuseamento directo das tecnologias de informação e comunicação por parte dos alunos;
– Utilizar o cinema de animação como instrumento de motivação para novos conteúdos, programas curriculares, e interesse geral para a escola.

METODOLOGIA
Cada filme é realizado durante dez a doze sessões nas escolas. Como ponto de partida, são analisadas as várias técnicas de cinema de animação. Explorar-se-ão com os alunos as diversas etapas para a realização de um filme, desde o trabalho sobre o tema, o eventual desenvolvimento de personagens e adaptação de uma história, à animação e sonorização pelos alunos. As sessões serão orientadas de forma a construir um processo e um produto partilhado, tirando partido das contribuições de cada formando, desde o trabalho plástico de construção de cenários, adereços e personagens, animação e por fim a filmagem. A metodologia adoptada optimiza a participação de cada aluno no processo de captura de imagens e manuseamento de software, proporcionando continuidade, na escola e em casa, das experiências de animação.

APRESENTAÇÃO PÚBLICA DOS FILMES
No final das sessões é organizada a apresentação pública do filme realizado, já sonorizado e montado, onde estão presentes a comunidade educativa e os pais dos alunos participantes. Nessa sessão, que muito orgulha todos os alunos, serão entregues os certificados de participação.

Destinatários
ALUNOS DO 1º CEB AO SECUNDÁRIO
Ano Lectivo 19/20 – Participantes
28 ALUNOS
Vários participantes de escolas de Viana do Castelo e Campo Benfeito, Castro Daire
Coordenação
GRAÇA GOMES e MARGARIDA MADEIRA

________

UM LOBO NADA MAU
16 participantes // 08 ago // 15 ago 2019

Com epicentro no Festival Altitudes, a oficina de cinema de animação levou 16 participantes a pensar uma história, preparar cenários e personagens, animar e dar voz a uma curta-metragem que se deixou inspirar nas histórias e ambientes da Serra do Montemuro.

Realização Vários participantes de Campo Benfeito, Castro Daire
Realizadora
MARGARIDA MADEIRA
Assistência de Realização
RODRIGO FRANCISCO

O CAPITÃO E A CIDADE
abr 2016

“O Capitão e a Cidade” dá corpo ao desafio de evocar, através do cinema de animação, e num processo de partilha com os alunos, uma das personalidades mais marcantes de Viseu no Século XX… o Capitão Almeida Moreira!

No centro da história estão as intervenções e os espaços pensados pelo Capitão: os azulejos do Rossio, a Glorieta Tomás Ribeiro ou a Glória a Grão Vasco. A curta-metragem assenta em personagens inspiradas no universo do nosso protagonista, a saber, o operador de câmara do filme “Viseu” (1930), desenvolvido pelo próprio Capitão Almeida Moreira, e uma camponesa captada neste mesmo filme de promoção da cidade, nos anos 1930, que se cruzam pela cidade, até ao encontro final no Museu Grão Vasco, que o Capitão Almeida Moreira fundou há precisamente 100 anos.

Realização ESCOLA PROFISSIONAL DE TORREDEITA, VISEU Realizadora GRAÇA GOMES
Assistência de Realização RODRIGO FRANCISCO
Sonoplastia LUÍS FILIPE NETO

O MURO
13 participantes // 21 out // 04 dez 2015

Algumas dúvidas sobre os estereótipos de género, e uma certeza: todos somos seres humanos, independentemente do sexo com que nascemos.

Realização ESCOLA SECUNDÁRIA FELISMINA ALCÂNTARA, MANGUALDE
Realizadora GRAÇA GOMES
Assistência de Realização ANA SEIA DE MATOS
Sonoplastia LUÍS FILIPE NETO

A partir de uma ideia simples – as imagens em movimento constituem um meio de expressão vital e distintivo, e ocupam um papel cada vez mais importante como parte da nossa herança cultural, e pensando nas lacunas existentes na formação educativa em relação à sensibilização de jovens e crianças nesta área, o CINE CLUBE DE VISEU preparou, em 1999, um projecto global de intervenção com a comunidade escolar.